Chama olímpica será conduzida por uma colinense e dois jaborandienses

Amor ao esporte e superação motivaram escolhas – Paula Trotta

Símbolo da paz, união e amizade, a tocha olímpica envolve a população no clima dos jogos. 

As histórias de vida podem não ser parecidas, mas o amor ao esporte é o que motiva dois condutores da tocha olímpica, que são de Colina e Jaborandi. O revezamento ainda terá a participação de outro jaborandiense, que deu a volta por cima após sofrer um infarto um ano.

Você quer saber quem são eles? Então acompanhe as histórias que vamos contar a partir de agora. Saiba como os três foram selecionados entre os 12 mil brasileiros, de 328 cidades, para participarem do revezamento da chama olímpica que desembarcou no Brasil no dia 3 de maio e chega no dia 4 de agosto, na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos Rio 2016, no Estádio do Maracanã.

“TROQUEI MEU CAVALO POR UMA BICICLETA”

Maria Carolina dos Santos

A psicóloga colinense Maria Carolina Begliomini Sant Ana dos Santos, de 31 anos, atualmente mora na capital e o amor pelo esporte começou com o hipismo que praticou por 9 anos. “Troquei meu cavalo por uma bicicleta e não parei mais”, revelou Carol, como é carinhosamente conhecida.

Ela trabalha na BRF, em São Paulo, empresa de alimentos responsável pela produção e comercialização da marca Sadia, que é apoiadora dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos. “A empresa promoveu uma campanha interna para mapear a relação do esporte com os seus mais de 100 mil funcionários. As cinco histórias mais inspiradoras seriam selecionadas para conduzir a tocha e a minha foi uma delas”, contou à atleta que acorda todo dia às 5h para se exercitar antes de ir trabalhar.

A atleta já participou de dezenas de meias maratonas (provas de 21km), incluindo a de Florianópolis, Punta Del Este e Buenos Aires. Já competiu na Maratona de Chicago em 2013 (42km) e em várias provas de triathlon na distância short (750m, 5km e 20km) e olímpico (1.500m, 10km e 40km). “Em novembro de 2015 participei do meu primeiro Iroman 70.3 no Uruguai. É uma prova com 1.900m de nado, 90km pedalando e 21km de corrida. Os próximos objetivos são a Maratona de Buenos Aires neste ano e a de Nova York em 2017. O esporte me impulsiona, me dá  coragem para vencer obstáculos entre muitos outros benefícios em todos âmbitos da minha vida”. A preparação e condicionamento físico nos treinos diários já renderam a atleta boas colocações nas provas que disputou.

“PERCURSO MAIS EMOCIONANTE DA MINHA VIDA”

Carol conduzirá a tocha no dia 2 de julho, em Francisco Beltrão – Paraná, onde a BRF mantém uma unidade industrial. O horário ainda não foi informado pela equipe organizadora. “Embora seja uma distância pequena, de 200 metros, será o percurso mais emocionante e importante de toda minha vida. Trata-se de um momento muito especial para mim. Para quem ama qualquer tipo de esporte, como eu, será a realização de um sonho. Acredito que fui escolhida pela rotina maluca que tenho. Para conciliar tudo é preciso disciplina e muita força de vontade. Tenho o esporte como paixão e não como trabalho; pratico pelo puro prazer da liberdade que proporciona”, declarou a psicóloga que ressaltou, “o esporte representa a superação dos próprios limites. É saber que seja lá qual for o resultado sempre terá um saldo muito positivo”.

No feriado prolongado da semana passada, Carol visitou a cidade e recebeu à reportagem na residência dos pais José Acácio dos Santos Filho “Coliga”/Rosi. Ela não abandona a rotina de treinos nem durante as folgas. Enquanto esteve em Colina ela e o namorado Adrien Fornazari, que é cirurgião-plástico, correram várias distâncias. Os dois estão se preparando para a 9ª Meia Maratona das Cataratas, no Parque Nacional do Iguaçu, que será realizada neste domingo.

ATITUDE QUE VALE OURO

Gustavo Lourenço

A cidade vizinha de Jaborandi terá dois condutores do símbolo olímpico que foram selecionados de forma diferente, mas estão na maior expectativa para que o dia em que carregarão a tocha chegue rápido.

O estudante Gustavo Roberto Lourenço, de 25 anos, que cursa o 6º ano de Medicina em Araraquara, começou a correr de forma amadora aos 15 anos e desde 2013 participa de competições. “Após muita insistência consegui que minha namorada Mariana e meu amigo Arthur treinassem comigo. Para incentivá-los paguei a inscrição de uma corrida e ficamos todos bem colocados”.

Por essa atitude Gustavo enviou a foto dos três no pódio da corrida para a promoção “#issoéouro”, da Coca-Cola. No final do ano passado ele foi informado que tinha sido um dos selecionados. “A confirmação oficial aconteceu em fevereiro, com um vídeo do Luciano Huck informando que eu seria um dos condutores da tocha olímpica”, disse Lourenço.

O atleta inscreveu-se por Jaborandi e foi selecionado para carregar a chama olímpica no dia 18 de julho, em Araraquara. O percurso será de 200m. “São 38 condutores em Araraquara entre os selecionados pelos patrocinadores oficiais Coca-Cola, Nissan e Bradesco”.

SAIR DO SOFÁ E INICIAR UM ESPORTE

A determinação e força de vontade de Gustavo também levaram à família pra rua. Hoje o irmão Luiz Henrique e até os pais, José Roberto/Izabel, correm regularmente. “A ideia da escolha dos condutores é selecionar pessoas que fazem a diferença, que estimulem outros a sair do sofá, dar início a um novo estilo de vida, a mudar seus hábitos e começar um esporte”, explicou o atleta que acrescentou, “a chama olímpica tem um enorme significado de união e superação. Até agora a ficha de que farei parte disso não caiu. Todo dia que vejo novas fotos e reportagens fico ainda mais ansioso para participar do revezamento. Fico muito feliz de representar Jaborandi e o Brasil”.

Além da corrida, Gustavo é um grande adepto do esporte. Apesar de não ser atleta profissional pratica várias modalidades, como mountain bike, tênis, futebol, natação e basquete. Ele vai acompanhar as Olimpíadas apenas pela televisão. “Como estou no último ano de faculdade não teria tempo para viajar ao Rio”, concluiu.

NOVO COMEÇO E SUPERAÇÃO

André Muramoto

Há exato um ano a vida pregou uma grande peça no servidor público e vereador jaborandiense André Muramoto, 46 anos, que sobreviveu a um infarto agudo do miocárdio e permaneceu 11 dias internado, dos quais 9 na UTI.

“Depois de um susto como este a gente passa a encarar a vida de outra forma e a cuidar mais da saúde”, destacou André. A tocha entrou na vida dele por acaso. Familiares, amigos, conselhos e grupos de que faz parte fizeram a sua indicação para participar do revezamento.

“Os patrocinadores das olimpíadas bem como o comitê organizador abriram as inscrições, aceitaram todas indicações, selecionaram as melhores e a minha história estava entre as escolhidas”, disse Muramoto.

A confirmação aconteceu no mês de abril, informando que no dia 19 de julho, às 8h, ele será um dos componentes do revezamento da tocha que passará por Bebedouro. “Representarei com muito orgulho a minha querida e amada Jaborandi. Serei um dentre tantos brasileiros anônimos que estará entre outros grandes carregando a tocha. Em  minha emoção me pego lembrando do meu saudoso avô Chyomi, meu eterno incentivador”. André também disse que já imagina o momento que irá retornar a Jaborandi, trazendo a tocha nas mãos, símbolo de paz, união e superação.  André e a esposa Eliane têm dois filhos, Anderson e Ana Luísa.


Postado em 04/06/2016
Por: A Redação
Publicidade

Atendimento

(17) 3341-1180
Seg à Sexta das 08h às 19h Sab das 09h às 12h
Ouvidoria
Fale Conosco
Desenvolvido por:

DIgraca.com.br
Siga-nos

Estatisticas

Hoje:8.612
Ontem:2.867
Total:11.479
Recorde:8.612
Em - 16/11/18