Por 5 a 3 Projeto de Iniciativa Popular é rejeitado e público protesta

IRA – Ao sair do estacionamento da Câmara após a reunião, alguns vereadores que votaram contra o projeto foram hostilizados verbalmente pelos manifestantes.

Tudo estava igual, a galeria lotada, os vereadores nos respectivos lugares... mas a reunião da Câmara da noite de terça-feira, dia 29, tinha um significado a mais para o público que estava ali para finalmente ver o Projeto de Iniciativa Popular, protocolado em 13 de outubro, ser colocado em votação após a liminar concedida pela justiça em Mandado de Segurança.

A presidente Edinalva convocou reunião extraordinária para discussão e votação única do projeto, mas antes foram lidos os pareceres das Comissões de Justiça e Redação e de Finanças e Orçamento que não se opuseram a tramitação, porém foram contrárias a qualquer tipo de votação do subsídio após a eleição municipal, considerando que a fixação deve ser promulgada antes da eleição.

Para decepção e frustração dos manifestantes do Movimento Popular Colina e munícipes em geral o projeto foi rejeitado pela maioria dos vereadores. Os cinco votos contrários foram de Jovino, Jorge, Galletti, Marco e Henrique que se levantaram das cadeiras.  O projeto recebeu 3 votos favoráveis de Lupercio que tinha assumido o lado do MPC, Cal e Zaía que permaneceram sentados. Os vereadores Ailton e Limão faltaram à reunião. O segundo em lua de mel no exterior. O voto deles poderia ter mudado a situação ou talvez até empatado a votação, o que fez muitos dizerem que foi uma manobra da Câmara estabelecer a votação para esta data. Os líderes do movimento lamentaram que a reunião tenha acontecido sem que todos estivessem presentes. O vereador Henrique Campase que tinha sido contrário ao aumento do subsídio de R$ 6.012,00 para R$ 7.596,00, no dia 27 de setembro, antes das eleições, foi contra o projeto popular e foi achincalhado pelos presentes que o chamaram de incoerente, mercenário e oportunista.

APROVADO???

Após a votação, por um equívoco a presidente Edinalva anunciou que o projeto tinha sido aprovado e percebendo que tinha se equivocado pediu desculpas, mas era tarde o público começou a gritar sem parar a palavra “aprovado”.

Todos vereadores que votaram contra o projeto foram muito vaiados e os manifestantes gritavam: “Não aguento mais esses vereadores que não sabem o que fazem”, “Covardes”, “Vergonha” entre outros adjetivos depreciativos.

O público esvaziou o plenário e foi para o lado de fora esperar no portão lateral, aguardando a saída dos vereadores que foram hostilizados. Os primeiros a saírem foram Marco e Jorge, que estavam no mesmo carro e permaneceram por alguns minutos na entrada do portão até que pudessem sair do prédio.

Mesmo depois de alguns vereadores terem ido embora e de outros permanecerem covardemente do lado de dentro, os manifestantes não arredaram e permaneceram em frente à Câmara. A todo tempo um o outro usava o microfone para dar recados aos políticos.

É PRECISO ESCOLHER MELHOR

Ao usar da palavra, antes da votação, o representante do MPC, José Carlos Constantin Júnior (foto), disse que, “o principal assunto hoje em Colina é a política e logo a população será crítica e seletiva o suficiente para escolher melhor seus candidatos e não mais ser levada a votar por falácias de campanha”. 


Postado em 03/12/2016
Por: A Redação
Publicidade

Atendimento

(17) 3341-1180
Seg à Sexta das 08h às 19h Sab das 09h às 12h
Ouvidoria
Fale Conosco
Desenvolvido por:

DIgraca.com.br
Siga-nos

Estatisticas

Hoje:12.927
Ontem:6.672
Total:19.599
Recorde:12.927
Em - 13/11/18