Conselheiro tutelar se tornou profissão de risco

A profissão de conselheiro tutelar se tornou uma atividade de risco com as mortes que têm ocorrido no país. As pessoas escolhidas pela comunidade para proteger as crianças e adolescentes vivem uma rotina de medo e não é em cidades maiores que isso acontece.

O Conselho Tutelar de Colina também denunciou que sofre ameaças nas visitas domiciliares e nos atendimentos que realiza no prédio onde o órgão funciona. “As famílias que expõem crianças a algum risco nem sempre aceitam a nossa intervenção”, declararam os conselheiros que foram ameaçados por um homem armado com uma faca.

O ano de 2017 está apenas começando e dois conselheiros foram assassinados no país. O 1º caso ocorreu no último dia 11, em ItupirangaPará. Dois conselheiros foram baleados no momento em que iam fazer um atendimento. Um deles não resistiu aos ferimentos provocados pelos seis tiros e morreu. O outro precisou passar por cirurgia para a retirada do projétil no abdome. O CT colinense permaneceu fechado no dia 12 de janeiro em sinal de protesto. O órgão funcionou em regime de plantão à longa distância.

Na segunda-feira, dia 23, mais um conselheiro foi morto a tiros desta vez em Ouro Verde – Santa Catarina. O CT de Colina aguarda ofício da Secretaria de Direitos Humanos, de Brasília, para fechar as portas em luto pela morte do colega de profissão. O protesto também representa uma forma de incentivo para a criação de leis que protejam o conselheiro que está cada vez mais vulnerável no cumprimento da sua missão.

O caso mais grave envolvendo conselheiros aconteceu em fevereiro de 2015 quando três deles foram assassinados em Poção, no agreste pernambucano, quando retornavam de um atendimento.


Postado em 28/01/2017
Por: A Redação
Publicidade

Atendimento

(17) 3341-1180
Seg à Sexta das 08h às 19h Sab das 09h às 12h
Ouvidoria
Fale Conosco
Desenvolvido por:

DIgraca.com.br
Siga-nos

Estatisticas

Hoje:6.117
Ontem:
Total:6.117
Recorde:6.117
Em - 21/11/18