Sarampo e a contaminação pelo movimento antivacina

Da erradicação da doença à resistência à imunização: o que a população que nunca teve contato com o sarampo precisa saber

O mundo está cada vez mais conectado. Novidades de todos os cantos chegam às nossas telas em questão de segundos. Porém, a facilidade de se locomover entre os países do globo permite também que vírus e outros agentes infecciosos contaminem a população para além das fronteiras.

Com o sarampo foi assim. O Brasil, sem nenhum caso registrado de transmissão local desde 2015, entrou em alerta após o surto da doença no país. Hoje, já são contabilizados aproximadamente 9.000 casos e mais de dez mortes.

“Houve uma redução da nossa cobertura vacinal. Na medida em que a população não está imunizada adequadamente, criam-se condições para que o sarampo seja reintroduzido”, explica dr. Fernando Kok, professor de Neurologia Infantil do Departamento de Neurologia da Faculdade de Medicina de Universidade de São Paulo (FMUSP). “A transmissão do vírus se dá pelo contato interpessoal, por meio da tosse, da respiração ou da fala, sendo que o contágio já pode ocorrer alguns dias antes do aparecimento dos sintomas. Ou seja, uma pessoa pode contaminar mais outras dez não-imunes sem perceber”, continua Kok. As chances de infecção aumentam em pessoas não vacinadas ou imunizadas de forma incompleta, sem receber reforço.  

Com a eclosão da epidemia, passou a se recomendar vacina a todas as crianças a partir dos seis meses de idade, além de um reforço com um ano. O dr. André Doi, assessor médico do Laboratório Clínico do Hospital do Israelita Albert Einsten, alerta: “Não importa se é criança, adulto ou idoso. A chance de pegar o sarampo é muito grande. Basta não estar imune e ter contato próximo com alguém que está infectado”.

O problema torna-se ainda mais grave quando a população é bombardeada por mitos envolvendo a prevenção dessa doença. A vacinação é a única forma de evitá-la. Dr. Kok é enfático: “A vacina é segura, eficaz e não causa doenças. O que pode causar complicações graves é o sarampo, não a vacina”.

Nos últimos anos, o movimento conhecido como “antivacina” ganhou popularidade no Brasil e no mundo. Com a justificativa de que a prática causaria autismo e outras doenças, seus defensores incentivam milhares de pessoas a não comparecerem aos postos de saúde. Dessa forma, doenças erradicadas ou com baixa incidência voltam à tona, fazendo ainda mais vítimas. As mídias sociais tem um papel muito grande na disseminação de informações falsas e alarmistas, e é obrigação dos profissionais de saúde combatê-las.

“O Ministério da Saúde está fazendo o seu papel. Mas não adianta o governo fazer a parte dele e as pessoas não se conscientizarem”, afirma dr. André. O patologista acredita que a função dos médicos é atender, suspeitar e diagnosticar os casos precocemente para impedir ainda mais vítimas.

A campanha nacional de vacinação contra o sarampo vai até o final de novembro. Os grupos de criança entre seis meses e cinco anos e de jovens adultos entre 20 e 29 anos foram priorizados por abrangerem aqueles que nunca tiveram contato com a doença e não receberam um reforço da vacina.  

 

ESPAÇO MÉDICO

 

Emergências Obstétricas em Avaré

 

 

Segundo o Comitê de Vigilância à Morte Materna, Infantil e Fetal, o Estado de São Paulo registrou, em 2017, 47 óbitos maternos para cada 100 mil nascidos vivos, sendo que em diversas regiões do País os índices são ainda mais alarmantes. Esses números afastam ainda mais o Brasil da meta da Organização Mundial da Saúde, que deveria ter sido atingida em 2015, de 35 mortes a cada 100 mil nascidos vivos.  Independentemente da performance desalentadora na atual conjuntura, há luz no fim do túnel, tendo em vista que as principais causas são evitáveis: pressão alta, hemorragia e infecções. A SOGESP tem trabalhado persistentemente para reverter esse quadro, com oportunidades de reciclagem e desenvolvimento prático-científico para os especialistas. Em 9 de novembro, por exemplo, a Regional Centro-Oeste realizará importante rodada do Curso de Emergências Obstétricas, na cidade de Avaré. Mais informações em sogesp.org.br ou centro-oeste@sogesp.org.br.  Telefone – 14. 3245.6040 ou 14 99659-2911— SOGESP. Santa Casa – 14. 3711.9100, Nancy.

 

 


Postado em 01/11/2019
Por: A Redação
Publicidade

Atendimento

(17) 3341-1180
Seg à Sexta das 08h às 19h Sab das 09h às 12h
Ouvidoria
Fale Conosco
Desenvolvido por:

DIgraca.com.br
Siga-nos

Estatisticas

Hoje:11.458
Ontem:1.889
Total:13.347
Recorde:11.458
Em - 21/11/19