Por que comigo?

Abortos espontâneos são mais comuns do que se imagina, mas o tabu sobre o tema pode fazer mulheres se culparem indevidamente

O aborto espontâneo acontece em uma a cada cinco gestações detectadas. No caso daquelas que não chegam a ser percebidas, a taxa aumenta para uma a cada três. Está entre as complicações mais comuns da obstetrícia, ocorrendo em aproximadamente 15% das pacientes com menos de 20 semanas de gravidez. 

A origem do aborto espontâneo não está, em sua maioria, nos hábitos ou comportamentos da mãe. Contudo, o tabu que existe em torno desse quadro clínico pode levar muitas mulheres à desinformação e a traumas emocionais.

Segundo a doutora Rosiane Mattar, professora titular do Departamento de Obstetrícia da Escola Paulista de Medicina e coordenadora científica da área na Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo (SOGESP), existem várias causas para a perda precoce do bebê. A mais frequente é a anomalia dos genes e cromossomos durante o crescimento do embrião, podendo resultar em seu óbito ou em alterações no ovo fertilizado. Gestantes com condições crônicas como diabetes não controlada também estão mais propensas a sofrerem aborto.

Porém, a gineco-obstetra chama a atenção para alguns fatores de risco. A idade materna avançada aumenta a chance de problemas no desenvolvimento do feto. Aos 45 anos, a probabilidade de perda é 80% maior. Mulheres que já sofreram abortos anteriores, fazem uso de tabaco, álcool e drogas ilícitas, estão muito abaixo ou muito acima do peso ou possuem anomalias uterinas também são alvos dessa condição clínica.

“Mas, depois que a mulher engravida, não existe uma forma de prevenir o aborto. Caso venha a acontecer, indicação da Organização Mundial da Saúde

(OMS) é esperar seis meses para tentar engravidar novamente. Nesse meio tempo, é preciso repor o ferro perdido e manter bons hábitos de saúde. O recomendado é que espere, no mínimo, uma menstruação”, aconselha dra.

Rosiane.

A recuperação geralmente é rápida. O cuidado maior é com a questão psicológica e emocional, visto que é uma perda muito difícil para o casal e, principalmente, para a mulher. A equipe médica deve ter a sensibilidade necessária para conduzir tanto a chamada “espera vigilante”, onde a paciente libera o material espontaneamente, quanto a intervenção clínica, por meio de aspiração manual intrauterina (AMIU).

É importante que a família esteja ao lado do casal para dar o apoio necessário. As questões emocionais podem levar a mãe a se culpar pelo o que aconteceu, resultando em problemas psicológicos e insegurança. Em um momento tão difícil, o melhor é ter paciência e seguir as recomendações do profissional obstetra que acompanha a gestação.

ESPAÇO MÉDICO

Alimentação saudável

Couve, alface, rúcula, salsinha, repolho, agrião. Uma horta que complementará a alimentação de 180 crianças do bairro Jardim Ipê, (extremo sul da cidade de São Paulo), e das cercanias, nasce da parceria entre a ONG Capão Cidadão e a Iniciativa Nutrientes para a Vida (NPV). Onde antes era um espaço coberto de mato e entulho, hoje estão instaladas culturas produtivas e de qualidade.

Esse exemplo de responsabilidade social faz parte de um projeto-piloto da NPV, abrindo nova frente de alimentação saudável da horta Cores e Sabores.

 


Postado em 23/11/2019
Por: A Redação
Publicidade

Atendimento

(17) 3341-1180
Seg à Sexta das 08h às 19h Sab das 09h às 12h
Ouvidoria
Fale Conosco
Desenvolvido por:

DIgraca.com.br
Siga-nos

Estatisticas

Hoje:3.583
Ontem:
Total:3.583
Recorde:3.583
Em - 23/06/21